Ir Para o conteúdo

Mônica Francisco homenageia João Batista Berthier com Medalha Tiradentes

Em uma solenidade cheia de afetividade e memórias sobre sua trajetória, desde a infância, e sua carreira como servidor público e como professor, o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT), João Batista Berthier recebeu a Medalha Tiradentes, maior honraria do Estado, e seu respectivo diploma, nesta terça-feira (01/06). A homenagem foi concedida pela deputada Mônica Francisco, que ressaltou a importância de reconhecer a atuação digna de Dr Berthier. 

“Para nós é uma honra fazer desta solenidade uma homenagem a servidoras e servidores públicos que são que fundamentais para construir a memória técnica do Estado, não de governo, do Estado. Doutor Berthier tem uma brilhante carreira como servidor e como professor, tem compromisso com a educação de qualidade e forma profissionais compromissados com a sociedade”, declarou.

A cerimônia, virtual, contou com a participação de mais de 90 convidados e muitos ressaltaram a importância, a dignidade e a humanidade na atuação do homenageado. “Berthier é unanimidade e ao homenageá-lo estamos homenageando todo o Ministério Público do Trabalho, porque ele personifica a instituição. Ele é um ser humano essencial”, declarou Fábio Villela, ex-procurador da Procuradoria Regional do Trabalho.

Emocionado, consciente da sua trajetória e da importância das/dos que de alguma forma participaram da sua vida, Dr Berthier fez uma análise sobre como havia chegado até ali, a homenagem com a Medalha Tiradentes, e considerou que o fato de ser filho de uma mulher divorciada corajosa, em uma época difícil para ter a condição, que foi fazer doutorado na França, o que contribuiu muito para sua trajetória de vida.

“Minha mãe ter ido para a Europa sozinha, levando um menino da Tijuca para estudar numa escola pública, em um bairro de periferia de Paris, onde havia muitos refugiados e operários, norteou minha vida e conspirou para eu ir para o Ministério Público do Trabalho. Já a Uerj me ensinou Direito e a PUC me ensinou ser professor, o que me traz a sensação de que meus alunos falam bem de mim pelas minhas costas, o que reforça a sensação de que eu nunca caminho sozinho”, declarou. 

Doutor Berthier também não deixou de falar do momento triste em que vivemos. “Mesmo com minha satisfação, não posso negar a tristeza coletiva com as quase 500 mil mortes e registro meu pesar em nome de uma delas, Faustino Batista, meu sogro. Era para ser menos gente, se estivéssemos em outro Brasil”.

“É muito importante, como diz Emicida, neste mundo em decomposição, termos alguém em quem nos referenciar”, completou Mônica Francisco, ao encerrar a solenidade.

Trajetória

Nascido na Cidade do Rio de Janeiro, filho da Luiza Berthier e José Leite Soares, o Dr. João Batista Berthier cursou a graduação em Direito na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mestrado na PUC/Rio e Doutorado na UERJ, tornando-se pesquisador em Direito do Trabalho. Dr Berthier tomou posse no cargo de procurador do Trabalho em março de 2001, aprovado em primeiro lugar no 9º concurso nacional para ingresso na carreira de membro do Ministério Público do Trabalho. Desde então, sempre atuou na Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região, Rio de Janeiro.

No biênio 2013/2015, foi responsável pela Coordenadoria de Atuação em Primeiro Grau, da Procuradoria Regional do Trabalho da Primeira Região. Entre 2015 e 2019 foi vice-procurador-chefe da PRT da 1ª Região. Em 2019, foi eleito procurador chefe PRT da 1ª Região.

Além da brilhante carreira como procurador do trabalho, Dr. Berthier é professor de direito do trabalho da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e da PUC/Rio.


Outras notícias!