Ir Para o conteúdo

Somente dois municípios do Rio de Janeiro têm mais de 70% da população imunizada

A deputada estadual Mônica Francisco (PSOL) oficiou as prefeituras com baixo índice de vacinação no estado contra a Covid-19 e cobrou providências da Secretaria Estadual de Saúde. O índice mais baixo é em Macaé, com apenas 15% da população imunizada. No início do mês, a parlamentar notificou a Prefeitura de Duque de Caxias sobre a desobrigação do uso de máscaras.

A aprovação do projeto de lei que flexibiliza o uso de máscara no estado aconteceu nesta terça-feira (26). Dez deputados estaduais foram contrários à proposta: Mônica Francisco (PSOL) e toda a bancada do Psol foram contra.

Durante a sessão um destaque foi votado para que a proposta pudesse valer apenas com cobertura vacinal a partir de 80%. A tentativa foi rejeitada por 48 a 13.

Entretanto, levantamento feito pela equipe do gabinete da parlamentar aponta que o estado ainda não se encontra no momento de estabilidade e é preciso averiguar os estudos científicos a nível mundial sobre o significado de baixo risco.

O levantamento utiliza dados da Secretaria de Saúde do Estado e analisa o percentual da população acima de 18 anos vacinada em todos os 92 municípios do Rio de Janeiro. “A pessoa só pode ser considerada imunizada se tiver tomado, pelo menos, duas doses, a não ser que tenha sido imunizado com a Jansen. Então, somamos o percentual de vacinados com dose única, os que estão com duas doses e com dose de reforço, e constatamos que o quadro da imunização no estado do Rio não é dos melhores”, disse a deputada.

Integrante da Comissão de Saúde da Alerj e membra da Comissão Especial de Gastos com a Covid-19, a parlamentar afirma que a nível estadual, 21 municípios estão com menos de 29% da população imunizada, 45 municípios estão com 30 até 49% da população imunizada e só 24 municípios possuem mais de 50% até 69% da população imunizada. 

“Apenas dois municípios estão com mais de 70% da população imunizada, sendo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que o número mínimo seguro para maiores flexibilizações seria maior que 70%, por causa das variantes. Também não temos previsão para vacina em crianças no estado, por isso, tanto o fim da pandemia quanto a não contaminação de crianças e adolescentes dependem do comprometimento da população adulta, que deve estar vacinada e usando máscara”, explica Mônica Francisco, que no início do mês também solicitou a revogação do decreto que suspendia a obrigatoriedade do uso de máscaras no município de Duque de Caxias, à época com apenas 46,8% da população completamente imunizada.

Enquanto Rio de Janeiro (66,40%), Niterói (77,13%) e Macuco (77,17%) são os municípios com maior número da população imunizada, por  outro lado, há municípios cujos percentuais de imunização não chegam sequer a 20%. Dentre os municípios com menores índices de imunização se destacam Macaé, com pior índice de imunização (15,33%); Paraty, Queimados e São Fidélis com 16,47%; 17,61% e 18,54% respectivamente, de acordo com dados do Vacinômetro.

Diante disso, a parlamentar oficiou a Secretaria de Saúde dos quatro municípios para levantar quais problemas estão enfrentando. “O governador Cláudio Castro deveria estar preocupado com o porquê desses índices e trabalhando para melhorá-los. Está faltando vacina? Profissionais da saúde estão em número insuficiente? É necessário melhorar os horários de vacinação? Ou as pessoas estão desinformadas e é preciso fazer campanhas educativas? Precisamos saber se esses estudos estão sendo feitos”, informou a deputada, que também notificou a Secretaria de Saúde Municipal da cidade do Rio de Janeiro sobre a padronização da flexibilização de atividades no município.

Com a aprovação pela Alerj, o estado tem que definir os parâmetros e fica a critério dos 92 municípios aderir ou não. A proposta vai ser encaminhada ao governador, que tem um prazo de até 15 dias para sancionar ou vetar o texto.


Outras notícias!