Ir Para o conteúdo

Você sabe o que é Economia Popular?

A Economia Popular é fundamental na construção de alternativas de trabalho e renda e gera o sustento de milhares de famílias. Por isso nossa mandata tem o compromisso de construir políticas públicas que garantam a continuidade e avanço da Economia Popular no Estado do Rio de Janeiro.

O que é o cooperativismo popular?

Cooperativismo popular é um movimento social e um modelo organizacional de produção cuja gestão está fincada nos princípios de democracia econômica, cooperação, autogestão e na distribuição justa da riqueza produzida. A economia de cooperação – ou cooperativista – surge como alternativa à economia de competição, onde as leis de mercado estabelecem relações verticais, antidemocráticas e até mesmo autoritárias com os seus trabalhadores.

● O que é uma cooperativa e como se formam?

Uma cooperativa é uma organização constituída por membros de determinado grupo econômico ou social que tem como objetivo desempenhar, em benefício comum, determinada atividade. Seu maior diferencial é a gestão democrática, em que todos os envolvidos participam ativamente na formulação de suas políticas e na tomada de decisões.

Tudo começa quando pessoas se juntam em busca de um mesmo objetivo, em uma organização em que todos são donos do próprio negócio, para produzir bens/serviços essenciais ou inovadoras pra população local. Com isso, dá início a um ciclo contínuo deganhos para os seus associados, para toda a rede consumidora e para a economia como um todo.

● Qual a diferença entre uma cooperativa e uma empresa tradicional?

Diferente de uma empresa tradicional, fundamentada na hierarquia das relações trabalhistas, as cooperativas substituem a relação emprego-salário pela relação trabalho-renda, ou seja, quem passa a ter mais valor são as pessoas e quem dita as regras é o grupo, dessa forma, os membros contribuem equitativamente para o capital da organização e, como consequência, usufruem dos frutos da mesma.

● Qual a importância das cooperativas para o desenvolvimento de uma economia popular no Estado do Rio de Janeiro?

No RJ, o cooperativismo é um grande potencial gerador de emprego e renda, garantindo um desenvolvimento econômico comprometido com sua população e verdadeiramente democrático. Além disso, numa crise como essa que vivemos, as cooperativas podem servir como uma incrível solução para empresas em situação de falência, ao permitir que seus funcionários negociem seus créditos trabalhistas para tomar o lugar do patrão/dono, e assim, retomar as atividades e impedir uma trágica demissão em massa.

● Exemplos de cooperativas:

1. Internacional: A Corporação Mondragon é uma federação de cooperativas oriunda do País Basco, na Espanha . Constitui o maior grupo empresarial do basco e o sétimo da Espanha, bem como o maior grupo cooperativo do mundo;

2. Nacional: A Copersucar é uma das maiores cooperativas do país, sendo também uma das maiores empresas produtoras de açúcar e etanol, capazes de garantir o desenvolvimento de um importante complexo industrial de biocombustíveis.

3. Estadual: A Cooperativa de Macuco, constituída por produtores de leite, tem grande importância no desenvolvimento da região e é a maior empresa de processamento de leite em todo estado do Rio de Janeiro.

4. Local: A Uber Mangueirinha é uma cooperativa de transporte local que visa garantir um serviço de transporte que priorize os motoristas, e não os donos. Localizada em um complexo de favelas de Duque de Caxias, onde atinge uma população de cerca de 22 mil habitantes, a cooperativa possui faturamento médio de R$ 13.520,00 entre os 30 motoristas associados.

● Iniciativas da Mandata:

Lista das 11 emendas orçamentárias sobre cooperativismo aprovadas para a LDO 2022:
a) Realização de 1 campanha de marketing sobre empreendedorismo cooperativo;

b) Instalação de 1 centro logístico para o cooperativismo;
c) Financiamento de 1 cooperativa de energia solar em favelas;
d) Implantação de uma política de promoção ao desenvolvimento local de

cooperativas;
e) Realização de programas de consultoria para as cooperativas;
f) Elaboração de 1 programa de formação de agentes públicos em cooperativismo;

g) Ampliação do programa “Recupera Rio” para empresas que, em situação derecuperação judicial, assumam sob forma de cooperativas;
h) Apoio de redes de cooperativas de plataforma;
i) Disponibilização de softwares livres white-label (rótulo branco) para

desenvolvimento de plataformas digitais cooperativistas;
j) Aquisição de 5 veículos para escoamento da produção das cooperativas; e

k) Realização de 1 workshop de desburocratização e agilização na abertura decooperativas.


Outras notícias!